Custo de nutrição animal ajustado auxilia firmeza dos preços de frango em fevereiro

Segundo o analista de Safras & Mercado, Fernando Henrique Iglesias, a primeira quinzena do mês foi pautada por alta nas cotações.

Segundo o analista de Safras & Mercado, Fernando Henrique Iglesias, a primeira quinzena do mês foi pautada por alta nas cotações. O mercado brasileiro de frango registrou preços mistos tanto para o frango vivo quanto para os cortes negociados no atacado e na distribuição em fevereiro, se comparados ao mês anterior. Segundo o analista de Safras & Mercado, Fernando Henrique Iglesias, a primeira quinzena do mês foi pautada por alta nas cotações. “Na segunda quinzena, com o arrefecimento da demanda, os preços cederam, em especial para o abatido”, explica o analista. “O ponto positivo é que os custos de nutrição animal estiveram com um melhor ajuste durante o mês”, conclui.
  • Clique aqui para seguir o canal do CompreRural no Whatsapp
  • Exportações As exportações de carne de aves e suas miudezas comestíveis, frescas, refrigeradas ou congeladas do Brasil renderam US$ 534,568 milhões em fevereiro (15 dias úteis), com média diária de US$ 35,637 milhões. A quantidade total exportada pelo país chegou a 311,029 mil toneladas, com média diária de 20,735 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 1.718,70. Em relação a fevereiro de 2023, houve queda de 3,8% no valor médio diário, avanço de 5,6% na quantidade média diária e queda de 8,9% no preço médio. Os dados foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior. Preços internos Segundo levantamento de Safras & Mercado, no atacado de São Paulo os preços dos cortes congelados de frango tiveram mudanças ao longo do mês. O preço do quilo do peito no atacado teve aumento de R$ 9,80 para R$ 10,10, o quilo da coxa teve queda de R$ 6,60 para R$ 6,50 e o quilo da asa de R$ 13,20 para R$ 12,20. Na distribuição, o preço do quilo do peito teve alta de R$ 10,00 para R$ 10,30, o quilo da coxa passou de R$ 6,80 para R$ 6,70 e o quilo da asa de R$ 13,40 para R$ 12,30. Nos cortes resfriados vendidos no atacado, o cenário do mês também apresentou alterações nas cotações. No atacado, o preço do quilo do peito teve elevação de R$ 9,90 para R$ 10,20, o quilo da coxa caiu de R$ 6,70 para R$ 6,60 e quilo da asa de R$ 13,30 para R$ 12,30. Na distribuição, o preço do quilo do peito teve valorização de R$ 10,10 para R$ 10,40, o quilo da coxa teve baixa de R$ 6,90 para R$ 6,80 e o quilo da asa de R$ 13,50 para R$ 12,40. O levantamento mensal realizado por Safras & Mercado nas principais praças de comercialização do Brasil apontou que, em Minas Gerais, o quilo vivo registrou estabilidade de R$ 5,25 e, em São Paulo, alta de R$ 5,05 para R$ 5,20. Na integração catarinense a cotação do frango ficou em R$ 4,40. Na integração do oeste do Paraná, a cotação aumentou de R$ 4,55 para R$ 4,65 e na integração do Rio Grande do Sul de R$ 4,80 para R$ 4,90. No Mato Grosso do Sul, o preço do quilo vivo do frango subiu de R$ 4,65 para R$ 5,00. Em Goiás os preços seguiram em R$ 5,15 e no Distrito Federal em R$ 5,25. Em Pernambuco, o quilo vivo continuou em R$ 7,00, no Ceará em R$ 6,20 e, no Pará, de R$ em R$ 7,00. Fonte: Agência Safras VEJA TAMBÉM:
  • Crédito privado: ‘É importante criar alternativas para crédito rural’, diz Neri Geller
  • Com alta recorde da Agropecuária, PIB fecha 2023 em 2,9% – IBGE
  • Piscicultura supera adversidades e cresce 3,1% em 2023
  • ℹ️ Conteúdo publicado por Myllena Seifarth sob a supervisão do editor-chefe Thiago Pereira Quer ficar por dentro do agronegócio brasileiro e receber as principais notícias do setor em primeira mão? Para isso é só entrar em nosso grupo do WhatsApp (clique aqui) ou Telegram (clique aqui). Você também pode assinar nosso feed pelo Google NotíciasNão é permitida a cópia integral do conteúdo acima. A reprodução parcial é autorizada apenas na forma de citação e com link para o conteúdo na íntegra. Plágio é crime de acordo com a Lei 9610/98.

    Artigos Relacionados: