• Terça-feira, 23 de julho de 2024

Prata em Tóquio, Bia Ferreira quer consagrar jornada com ouro em Paris

Pugilista baiana é uma das favoritas ao pódio olímpico no peso leve

A jornada de Beatriz Ferreira no boxe começou na garagem de sua família, aos quatro anos de idade. Agora, 27 anos depois de colocar as luvas pela primeira vez, a brasileira, filha do bicampeão brasileiro de boxe Raimundo Oliveira Ferreira, é a favorita para ganhar o ouro nos Jogos Olímpicos de Paris 2024 na categoria peso leve. Tendo crescido em um bairro pobre de Salvador, seu pai transformou a garagem da casa em uma academia improvisada.

"E aí meu pai pegou a garagem de casa e fez uma academia. Ele tirava o carro, colocava o saco. E chamava os meninos da rua lá, do bairro, pra treinar. Eu acho que era um modo também que ele tinha de tirar o pessoal da rua, as crianças, influenciar, fazendo alguma coisa legal", disse ela à Reuters no centro de treinamento da Federação Brasileira de Boxe. 

Beatriz Ferreira durante treino em São Paulo
 8/7/2024    REUTERS/Amanda Perobelli "Para mim, ganhar um ouro olímpico seria a validação definitiva de minha jornada", revela Bia, primeira mulher brasileira a conquistar uma medalha de prata em uma competição olímpica de boxe, nos Jogos de Tóquio 2020 - REUTERS/Amanda Perobelli/Direitos Reservados Em busca de seus sonhos, ela se mudou para São Paulo para treinar com a equipe olímpica.

"Não conhecia ninguém de São Paulo. Mas tinha um sonho. Tinha um sonho e o dinheiro que o boxe me deu. O que que eu fiz? Vim. Aí eu vim. Foi porque a oportunidade de treinar com a equipe olímpica da seleção era inestimável", conta.

Apesar das dificuldades financeiras, ela persistiu, mesmo quando o dinheiro acabou. Sua dedicação valeu a pena quando ela foi convidada para o projeto Vivência Olímpica, na Rio 2016, quando 20 revelações de diversas modalidades conviveram com os atletas olímpicos brasileiros.

"Foi uma grande honra. Entendi o que era ser um atleta de alto rendimento", disse ela.

Bia Ferreira alcançou feitos notáveis em sua jornada. Ela é tetracampeã brasileira, a primeira mulher brasileira a conquistar uma medalha de prata em uma competição olímpica de boxe, em Tóquio (2020), e duas vezes campeã mundial amadora, em 2019 e 2023. Bia Ferreira tem defendido ferozmente o boxe feminino.

"Olha, em 2016 eram três categorias só. Em Tóquio já foi diferente. Já foi 51. 57. 60. 69. e 75. E hoje a gente tem seis", disse ela. "O boxe feminino já percorreu um longo caminho."

Ela reconhece, no entanto, que ainda há muito a ser feito para alcançar a igualdade com o boxe masculino.

"É questão de persistência. Porque a pior coisa que tem é a dúvida. Então se você viver com a dúvida, você nunca vai saber se você iria ou não conseguir", afirmou ela. "Para mim, ganhar um ouro olímpico seria a validação definitiva de minha jornada."

* É proibida a reprodução deste conteúdo.

Artigos Relacionados: