• Sexta-feira, 24 de maio de 2024

Lula vai colocar seu nome em picanha exportada para a China

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva acompanhará nesta sexta-feira (12) o primeiro embarque de carne para a China a partir de plantas recentemente habilitadas para exportação ao país asiático

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva acompanhará nesta sexta-feira (12) o primeiro embarque de carne para a China a partir de plantas recentemente habilitadas para exportação ao país asiático O presidente Luiz Inácio Lula da Silva acompanhará nesta sexta-feira (12) o primeiro embarque de carne para a China a partir de plantas recentemente habilitadas para exportação ao país asiático. O evento ocorrerá às 10h em uma unidade da fábrica da JBS em Campo Grande, Mato Grosso do Sul. A planta é uma das 38 habilitadas pela China em 12 de março, incluindo 24 de processamento de bovinos, oito de frangos, um de termoprocessamento e cinco entrepostos. “ A primeira carne que o chinês vai receber desse frigorífico vai ser eu que vou embrulhar. E vou aproveitar, e vou colocar meu nome na picanha, pra que eles saibam que estou exportando a picanha” – disse o presidente antes de embarcar para o Centro-Oeste. A carne será despachada a partir de uma fábrica da JBS, empresa líder global em produção de alimentos à base de proteína. Como resultado desse processo, a China habilitou, em 12 de março, 38 novas unidades de produção para receber carne importada do Brasil, o que fez com que o número de plantas saltasse de 106 para 144. Foram habilitadas 24 novas plantas de processamento de bovinos, oito de frangos, um estabelecimento de termoprocessamento de bovinos e cinco entrepostos. Somadas, elas vão gerar um incremento de R$ 10 bilhões na balança comercial brasileira no decorrer dos próximos 12 meses. “ O mercado chinês é importante para o Brasil porque tem muita demanda. Estamos em uma busca frenética pela abertura de novos mercados. Ano passado, tivemos o recorde de abertura de 78 novos mercados e já conseguimos a marca de 105 mercados acumulados do ano passado até agora”, ressalta o secretário de Comércio e Relações Internacionais do Ministério da Agricultura e Pecuária, Roberto Perosa. “No Sudoeste Asiático, tivemos incremento do volume de vendas, houve habilitações de novos planos de exportação para a Rússia, a possibilidade de maior exportação para o Chile, enfim, são diversas ações que estão sendo tomadas para criar ainda mais oportunidades para os produtos brasileiros”, completa o secretário. Nos dias 5 e 6 de junho, o vice-presidente e ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços, Geraldo Alckmin, participa, em Pequim, de uma série de reuniões da Comissão Sino-Brasileira de Alto Nível de Concertação e Cooperação Português (Cosban). O objetivo é fortalecer ainda mais as relações bilaterais com a China visando, entre outros objetivos, abrir novos mercados no país asiático, maior parceiro comercial do Brasil. MATO GROSSO DO SUL – Antes desta nova lista de habilitações, o Brasil tinha 107 plantas autorizadas para operar na China, entre as habilitadas para proteínas de aves, bovinos e suínos. O Mato Grosso do Sul tinha apenas três frigoríficos habilitados para exportar carne bovina para os chineses. Agora conta com sete. O estado foi o que mais se beneficiou das novas habilitações entre todas as Unidades da Federação. Antes, os frigoríficos de bovinos de Mato Grosso do Sul tinham potencial de exportar para a China um volume equivalente a no máximo 467 mil cabeças de gado por ano. Agora, são 2,3 milhões, acréscimo de mais de 1,8 milhão de cabeças. “Desde o início de 2023, estamos dedicando todas as forças para trazer os maiores resultados para o Brasil, que tem cultura majoritariamente exportadora. Esse resultado, inequivocamente, gera desenvolvimento e renda para o nosso país. Nós vivemos um momento ímpar e único”, afirma secretário de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, Carlos Goulart. MAIS FORTE – Nesta semana, o Brasil celebrou a abertura do mercado da Coreia do Sul às exportações brasileiras de subprodutos de origem animal (farinhas e gorduras de aves) destinados à alimentação animal. O processo marcou a 27ª expansão para o agronegócio do país apenas em 2024, resultado do trabalho integrado entre Ministério da Agricultura e Pecuária e Ministério das Relações Exteriores. A Coreia do Sul foi o oitavo destino para os produtos agrícolas brasileiros em 2023, somando US$ 3,37 bilhões em exportações. Segundo a Secretaria de Comércio e Relações Internacionais do Ministério da Agricultura e Pecuária, a abertura do mercado sul-coreano atende uma demanda da Associação Brasileira de Reciclagem Animal (ABRA) e de suas empresas associadas. Esse processo também beneficia os empresários da Coreia do Sul, que projetam uma expansão da indústria coreana de rações, com o objetivo de atender o crescimento do número de animais domésticos na Ásia. A recente conclusão das negociações sobre o Certificado Sanitário Internacional (CSI) garante aos estabelecimentos brasileiros a habilitação para exportar esses produtos e reforça a confiança internacional no sistema de controle sanitário do Brasil, que ganhou mais força a partir de 2023. CINCO CONTINENTES – Os 105 novos mercados abertos pelo Brasil desde 2023 encontram-se em 50 países, nos cinco continentes. Eles fortalecem um trabalho que vem sendo realizado desde a virada do século e que foi marcado por um acentuado crescimento do comércio exterior brasileiro. Nas últimas duas décadas, as exportações brasileiras passaram de US$ 58,2 bilhões em 2001 para US$ 339,7 bilhões em 2023. Isso se deve a vários fatores, entre eles o eficiente desempenho de setores como o agronegócio e o mineral. Soma-se a isso o crescimento do volume de negócios com a China, cuja parceria resulta em compras anuais pelo país oriental de US$ 104 bilhões, quase um terço do total que o Brasil exporta. Entre outros destaques recentes estão o comércio de algodão brasileiro com o Egito; o de carnes bovinas e suínas com o México e Singapura; o de suco de açaí com Índia; o de frango com Israel e Argélia; o de mamão com o Chile; o de arroz com o Quênia; o de pescados com Austrália, Egito e África do Sul; o de ovos com a Rússia; e o de café verde com a Zâmbia. BANGLADESH, VIETNÃ E ASEAN – No ano passado, o Brasil exportou US$ 2,1 bilhões para Bangladesh. Em 2014, eram US$ 869 milhões, um crescimento expressivo em dez anos. Outro exemplo é o Vietnã. Em 2014, o mercado vietnamita havia comprado US$ 1,6 bilhão do Brasil. Em 2023, as exportações para o país, um dos dez membros da Associação de Nações do Sudeste Asiático (Asean), chegaram a US$ 3,7 bilhões. Nos últimos 20 anos, o comércio entre o Brasil e a Asean cresceu o equivalente a 11 vezes. Em 2023, as exportações para Cingapura, Indonésia, Malásia, Vietnã e Tailândia, cinco principais mercados da Asean, somaram US$ 22,7 bilhões. O valor supera o registrado com as exportações para cinco integrantes do G7 somados (Japão, Alemanha, Itália, Reino Unido e França), que foi de US$ 22,6 bilhões.

Artigos Relacionados: