• Terça-feira, 25 de junho de 2024

Caso Tony Ramos: Entenda o que é e qual a gravidade do hematoma subdural

Ator foi internado às pressas no Rio de Janeiro e passou por uma cirurgia para drenar o sangramento no cérebro na quinta-feira (16)

O ator Tony Ramos teve alta ontem, dia 22 de maio, do Centro de Tratamento Intensivo (CTI) onde estava foi internado desde a última quinta-feira (16), no Rio de Janeiro. O ator passou por duas cirurgias nos dias 16 e 19 por conta de um hematoma subdural, conhecido como um sangramento intracraniano. A primeira teve como objetivo drenar o sangramento e a segunda foi feita após ele ter apresentado "distúrbios de coagulação", segundo o boletim médico. Seu estado de saúde é estável, segundo o boletim. Mas o que significa esse sangramento e qual a gravidade da situação do ator de 75 anos?

O neurocirurgião do Hospital Edmundo Vasconcelos, Otavio Braga, explica que esse é um hematoma intracraniano que se localiza entre a membrana dura mater (uma das meninges que envolve o cérebro) e o cérebro, ou seja, há um acúmulo de sangue entre o crânio e o cérebro. Segundo o médico, há dois tipos de hematomas: os agudos, que são decorrentes de traumas mais graves, como atropelamentos e acidentes, por exemplo, e os crônicos, decorrentes de traumas mais leves como quedas e pequenas batidas que muitos pacientes até mesmo podem não lembrar.

“Os crônicos são provenientes de pequenos sangramentos de veias que vão aumentando com o tempo. Só após 15 ou vinte dias começam a dar sintomas neurológicos. São mais frequentes em pacientes mais idosos e na maioria dos casos demandam a necessidade de uma cirurgia, já que vão aumentando progressivamente e podem comprimir o cérebro”, afirma ele. Segundo o especialista essa compressão pode causar sintomas como cefaleia, paralisia de metade do corpo, convulsão, confusão mental e até coma a depender de cada caso.

O tratamento cirúrgico consiste na drenagem desse sangramento através de um orifício no crânio e a lavagem exaustiva com soro para retirar todo sangramento. “A evolução geralmente é satisfatória mas pode depender muito de acordo com o paciente. Após a operação, o paciente sai com um dreno para que o cérebro aos poucos volte ao lugar. É muito importante a cirurgia ser realizada rapidamente para evitar complicações que podem até mesmo trazer riscos de morte”, finaliza.

Artigos Relacionados: